As Esquinas do Tempo, Rosa Lobato de Faria

18 abril 2009

Editora: Porto Editora
Páginas: 208
Categoria: Romance

"Quando Margarida chegou à Casa da Azenha teve aquela sensação, não desconhecida mas sempre inquietante, de já ter estado ali."

"Margarida é uma jovem professora de Matemática. Um dia vai a Vila Real proferir uma palestra e fica hospedada num turismo de habitação, casa antiga muitíssimo bem conservada e onde, no seu quarto, está dependurado o retrato a óleo de um homem que se parece muito com Miguel, a sua recente paixão.Por um inexplicável mistério, na manhã seguinte Margarida acorda cem anos atrás, no seio da sua antiga família.Sem perder consciência de quem é, ela odeia esta partida do tempo. Mas aos poucos vai-se adaptando. Conhece o homem do quadro e apaixona-se por ele. Quando ele morre num acidente, Margarida regressa ao presente."

Um livro aparentemente estranho, que se vai entranhando aos poucos, misturando fantasia (loucura?) com realidade de uma forma muito hábil.

Se no início me fez alguma confusão as Margaridas, Marianas, Madalenas, Miguéis e Pedros, nunca deixei de me sentir presa pela história, mas acima de tudo pela escrita criativa e despretensiosa da autora.

Senti-me também eu a viajar no tempo e no espaço, até à Vila Real rural do século passado, que também faz parte das minhas origens e onde, ainda hoje, tenho familiares. E mesmo quando voltamos a Lisboa, ainda sentimos que aquela Margarida leva sempre consigo o que viveu lá, em Trás-os-Montes.

Foi o primeiro livro de Rosa Lobato de Faria que li. Já tinha ouvido maravilhas da sua escrita, mas ainda assim fui surpreendida pela frescura, criatividade, fluidez e riqueza dos universos por ela criados.

Mais uma excelente descoberta e autora que pretendo repetir brevemente.

"É o vento que perpassa nas copas das laranjeiras, que vem do mar e traz as gaivotas. É o vento que faz oscilar as minhas cortinas, que se insinua como um segredo por entre os arbustos do jardim. É o vento que me conta histórias antigas, antigas, como se fosse uma criança que não quisesse dormir. Não o ouves? Não. É o vento que sopra só para mim. É o vento manso, doce, da loucura, que me invade lentamente e me deixa à mercê dos seus dedos de nuvem, tão suaves e tão meigos." p. 199

11 comentários:

Homem do Leme disse...

Este é um livro sobre o qual tenho grande curiosidade. Talvez um dia ainda o adquira.

Livros e Outras Coisas disse...

Aqui fica uma sugestão: O Prenúncio das Águas, da mesma autora. :)

flicka disse...

Também gostaste!!! Sim, de facto, a escrita de Rosa Lobato de Faria é muito agradável que nos leva para além... ;-)

P.S. Já estou a ler o teu livrito e estou a gostar... Obrigada! :)*

Maria Manuel disse...

A Rosa Lobato de Faria é das minhas autoras preferidas. Não consigo dizer qual dos livros dela que li (foram todos) que mais gostei. Todos me prenderam de uma forma ou de outra.

Betita disse...

Oi Amiga!
Eu Adorei este livro :)
O Pronuncio da àguas e Pássaros de Seda tabém são excelentes, tens de ler!
A escrita da autora é uma maravilha, maesmo que a história não nos prenda muito a forma de ela escrever encanta-nos!
Bjt

Livros de Bia disse...

Bela sinopse!!!

Valeu a dica!

Bjs

Marta disse...

Nunca li nada esta autora, mas vou registar, pois fiquei curiosa. Tenho na minha estante um livro desta autora " As tranças de Inês" que uma colega me emprestou, segundo ela é muito bom, pois eu ainda não o li.
Obrigada pela sugestão.
boas leituras

Migalhas disse...

Obrigada pela visita e pelas sugestões, meninas!
Tem piada, que fui adquirindo alguns livros da Rosa Lobato de Faria em 2ª mão, mas nunca lhes peguei, foi preciso este empréstimo para me deixar o "bichinho" e um dia destes pelo menos o "Prenúncio das Águas" sai da estante para a mesinha de cabeceira ;)

Julianna Steffens disse...

Adoro histórias que mexem com o tempo e o espaço. Encontrei seu blog por acaso, adorei suas resenhas e vou virar seguidora, se quiser dá uma passada no eu cantinho tb =o***

NUNO CHAVES disse...

É um livro um pouco na linha de «A Trança de Inês», embora não tão confuso. com as duas ou tres histórias paraleas da personagem central Margarida. confunde um pouco o leitor ja depois do meio livro lido, com os personagens com o mesmo nome, nas diferentes épocas da narrativa. o final é insipido, um pouco sem graça e um pouco apressado. acabamos por não perceber muito bem, afinal a margarida viaja ou não no tempo? A Margarida é ou não doida Varrida? A Margarida sofre de Alzeimer? perguntas que acredito que quem leu o livro se terá colocado certamente junto ao final. A narrativa vale a pena ser lida (mais que uma vez) talvez noutra altura verei estas «Esquinas do Tempo» com outros olhos

GOSTEI IMENSO DESTE ESPAÇO, QUE DESCOBRI POR ACASO DE ASPECTO MUITO CLEAN, BASTANTE ASSECIVEL, E PRATICO, VOU VOLTAR MAIS VEZES SINTO-ME BEM POR AQUI!, MUITOS PARABENS PELO ESPAÇO.
JA AGORA SE PUDER LER O PRENUNCIO DAS AGUAS DE ROSA LOBATO FARIA, VAI VER QUE NAO SE ARREPENDE.

Migalhas disse...

Boa noite, Nuno
Muito obrigada pela visita e pelo seu comentário. Já fui também visitar o seu blogue e adicionei-o à minha barra lateral.
Quanto aos livros de Rosa Lobato de Faria, não li nem tenho "A Trança de Inês", mas tenho "O Prenúncio das Águas" em lista de espera na enorme lista de livros para ler...
Concordo consigo quanto ao final, mas acho que o que mais impressiona neste livro é a escrita, não tanto a história.
Bom fim-de-semana e boas leituras :)

Enviar um comentário

Blog contents © BiblioMigalhas 2010. Blogger Theme by Nymphont.