Fui Roubada aos Meus Pais, Cèline Giraud

09 agosto 2009

Editora: Presença
Páginas: 184
Categoria: Memórias/Testemunhos

"A vida de Céline Giraud, 27 anos, desabou a 22 de Fevereiro de 2004, o dia em que tomou conhecimento de que não tinha sido abandonada em criança mas roubada à sua mãe biológica com alguns dias de vida. Roubada para ser vendida por 3000 dólares a um casal francês que desconhecia o processo de tráfico de que Céline tinha sido alvo.
Só quando tentou contactar a mãe biológica conseguiu descobrir a verdade, procurando a partir deste momento, com a ajuda dos pais de Fernando, o seu namorado, pistas para o seu rapto, conseguindo localizar mais de vinte crianças também de origem peruana que tinham sido raptadas. Os seus pais adoptivos, alheios à ilegalidade, tinham contactado uma organização francesa que lhes tinha conseguido uma menina com apenas duas semanas em tempo recorde.
Quando se apercebeu da situação dos outros bebés, Céline tentou contactar as suas famílias criando a Associação La Voix des Adoptés, que procura dar apoio a crianças adoptadas.
Um livro de memórias, escrito na primeira pessoa com um tom quase detectivesco, informativo e que pode servir de base a uma análise social."

Uma história contada na primeira pessoa por quem a viveu, mas acima de tudo, por quem a sofreu.

Achei a escrita de tal forma aberta e sincera, que nos faz ficar ainda mais chocados com a infeliz realidade do tráfico de crianças que grassa pelo mundo todo, ainda mais nos países desfavorecidos. Regra geral, só nos apercebemos de casos deste género pelas notícias. Mas raros são os casos que chegam ao olhar público e não é uma notícia de dois ou três minutos que nos consegue mostrar a verdadeira crueldade contra as crianças e famílias, incluindo as famílias adoptantes.

Este livro é um relato corajoso de uma jovem cuja vida ficou de pernas para o ar quando decidiu procurar as suas origens. A nós, leitores, serve como alerta e como exemplo de força e coragem.

"(...) Foi necessário ultrapassar a raiva, a cólera e o desejo de vingança. Foi necessário digerir a verdade, domá-la, para que ela se transformasse na minha história. (...)
Hoje sinto-me na obrigação de testemunhar. As palavras "tráfico de crianças" não são uma invenção dos jornalistas. Os raptos de crianças existiram e ainda existem no mundo da adopção. (...) Este livro foi escrito para que nunca mais se diga que não se sabia de nada.
Quero também partilhar esta minha experiência com as crianças adoptadas em condições normais. Quero dizer-lhes que não há quem saía incólume de uma busca das suas origens. Ninguém está suficientemente preparado para descobrir o seu passado, seja ele qual for. (...)"

A autora foi uma das fundadoras e é presidente de uma associação de adoptados, La Voix des Adoptés, que, pelo que o livro dá a entender, proporciona um precioso apoio a adoptados e pais adoptivos e tem um papel preponderante na denúncia de organizações de tráfico de crianças.

Numa nota mais pessoal, não sou mãe, não sou adoptada, mas este sempre foi um tema que me atraiu particularmente... Por isso, é um livro que recomendo a todos, mas, acima de tudo, a quem um dia pretende adoptar. Para ler e reflectir.

4 comentários:

Carla Martins disse...

OIeeeeee...mudei o topo do meu blog....depois passa lá e dá a sua opinião! :)

Beijos!

flicka disse...

Bem, mais uma opinião excelente! Este livro é teu....? eheh
Jokitas!

Betita disse...

Olá :)
Um livro que nos marca, não é?
Ainda bem que gostaste de o ler ;)
Infelizmente é uma situação que continua a acontecer por todo o lado!
Beijocas e boas leituras!

Migalhas disse...

Carla,
Adorei a mudança! Mais fresquinho e divertido, parabéns!

Flicka,
O livro é que é bom, daqueles que nos faz sair dos universos romanceados para a vida real e abrir os olhos (e o coração). Li-o em ring no BC, ora espreita lá ;)

Betita,
Podes crer, como disse ali acima, faz-nos abrir os olhos para a realidade e reflectir. Muito obrigada por mais esta preciosa oportunidade :)*

Enviar um comentário

Blog contents © BiblioMigalhas 2010. Blogger Theme by Nymphont.